Recrutamento e Seleção na área de Educação

Saiba como usar o incrível poder da gamificação na educação

0

Se você trabalha com escola, deve saber que manter a atenção de uma turma durante a aula não é fácil. Muitas vezes, os alunos têm dificuldade em encarar os conteúdos do currículo escolar como ferramentas para auxiliá-los a compreender o mundo e a si mesmos e por isso não se interessam nas aulas.

Para enfrentar esse sério problema de motivação, muito se tem falado na alternativa do uso da gamificação na educação. Acompanhe esse post e saiba como usá-la no ambiente escolar.

O que é gamificação?

O termo gamificação é geralmente utilizado para tratar de dois processos distintos. O primeiro é o uso de jogos eletrônicos — educativos ou não — para ensinar um determinado conteúdo.

Neste primeiro caso, o jogo eletrônico pode ser tratado como um ambiente virtual de aprendizagem no qual os alunos podem, por exemplo, fazer experiências com simuladores — como construir uma cidade no SimCity — ou se comunicar usando avatares — e aproveitar para aprender inglês.

O segundo diz respeito à aplicação de artifícios que são comuns nesses jogos em tarefas que não são, a priori, de natureza lúdica, como o consumo de um determinado produto, uma atividade repetitiva do trabalho ou mesmo a aprendizagem formal. Isso significa que os jogos em si não aparecem na sala de aula, mas são usados como inspiração para tornar a metodologia mais envolvente.

Alguns dos elementos mais marcantes dos games e que podem ser explorados na gamificação são:

  • o acúmulo de pontos;
  • a classificação dos jogadores de acordo com o desempenho;
  • a narrativa;
  • os desafios;
  • o feedback imediato e intuitivo;
  • as recompensas.

De acordo com cada caso, esses itens podem ser combinados de diferentes formas e incluídos no planejamento do professor para tornar a aprendizagem mais lúdica e agradável.

Por que gamificar?

Você já deve ter ouvido notícias ou mesmo queixas de pais sobre os filhos que não saem da frente do videogame, que passam horas a fio na mesma posição e se esquecem até de comer e beber água! Por que será que essas mesmas crianças têm dificuldade de ficar sentados por 50 minutos numa aula e sentem o maior alívio quando chega a hora do recreio?

Por incrível que pareça, esses alunos encontram mais sentido em realizar as tarefas que só existem num mundo virtual do que em cumprir as que são propostas em sala de aula. Os jogos eletrônicos estão fazendo algo muito certo no que diz respeito à motivação e talvez a escola pudesse aprender com eles.

Como gamificar?

Ainda que o conceito seja simples, aplicar a gamificação na educação, principalmente no que tange a ambientes formais de aprendizagem, exige conhecimento e criatividade da gestão pedagógica e do corpo docente da escola.

Para trabalhar de forma eficiente com os elementos citados acima, é importante estar atento a um princípio de todo game: é o jogador quem está no controle. O planejamento de uma aula gamificada deve permitir, acima de tudo, que os alunos possam comandar a sua experiência, mesmo que ela leve ao erro. Afinal, ele é encarado nos videogames como um passo inevitável para o aprendizado.

Os jogos eletrônicos têm tudo a ver com a exploração de um novo universo e com a autonomia do jogador. Portanto, aproveite a oportunidade para adotar novas práticas e dar novos ares ao espaço escolar. Inspire-se neles para trabalhar com projetos nas suas aulas e dê ferramentas aos alunos para que eles próprios busquem as informações que precisam para solucionar os seus problemas.

Impactos da gamificação na educação

O principal alvo da gamificação é a motivação. O uso dessa ferramenta pode revestir de sentido tarefas que antes eram maçantes. Isso pode levar os alunos a se engajarem nas atividades da escola e a fixarem melhor os conteúdos por terem tido a chance de interagir e experimentar com eles.

Vale frisar que, ao contrário do que se pensa, a simples utilização da tecnologia na sala de aula não salva a escola. Não adianta se utilizar dos elementos dos jogos e continuar realizando as atividades de sempre — aulas expositivas seguidas de avaliações por escrito e feedback baseado em nota.

Depois dessa leitura, o que você acha da gamificação na educação? Acredita que ela é viável no ambiente escolar? Compartilhe sua opinião conosco nos comentários!

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.