Recrutamento e Seleção na área de Educação

HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: QUAL A REAL IMPORTÂNCIA?

0

Há séculos, as histórias passam de geração em geração, como parte importante do crescimento das crianças. Hoje, contamos para os nossos filhos os contos clássicos que ouvimos de nossos pais, que por sua vez ouviram de seus próprios pais. E as crianças de hoje continuam absorvendo as histórias com o mesmo encantamento que as do passado.

Isso gera questionamentos importantes para os pais e profissionais envolvidos com o desenvolvimento das crianças: afinal, qual será a real importância das histórias na educação infantil? Neste artigo, vamos analisar alguns aspectos da questão.

O que acontece quando a criança mergulha no mundo da ficção?

As histórias ampliam a imaginação e a cultura

A imaginação estimula os pensamentos criativos, que podem determinar o estilo de vida e o sucesso profissional da criança no futuro. O conhecimento cultural também é ampliado, pois as histórias abordam diferenças culturais e mostram mundos diferentes do cotidiano dos pequenos. Isso desperta a curiosidade por outras culturas e o interesse em conhecer novos lugares, além de estimular novas experiências.

Lidar com contextos ficcionais inspira a imaginação. Entrar em contato com aquilo que é abstrato, desde cedo, nos possibilita ir “longe” mesmo sem sair do lugar. Segundo Isaac Roitman, membro titular da Academia Brasileira de Ciências, a arte estimula as tendências individuais. Com isso, ela trabalha a percepção sensível que ultrapassa os limites da educação formal.

É claro que não podemos ensinar como se deve sentir algo. A sensibilidade, no entanto, é frequentemente estimulada pelos acontecimentos ficcionais. À medida que a imaginação se desenvolve, aprendemos como reagimos às situações.

Ao experenciar o prazer estético da literatura, a criança, mesmo sem saber, dá um passo gigantesco no sentido da empatia e da consideração pelo outro. Isso porque ela vive aquela situação e se torna mais consciente de outras formas de existir.

A ficção ensina preceitos morais e sociais

A presença das histórias na educação infantil ajuda a cultivar valores éticos e morais. A maioria delas aborda a luta entre o bem e o mal e mostra situações de amor e de perda e outros conflitos que fazem parte da vida real.

Mesmo que na realidade o bem nem sempre prevaleça, a lição que se aprende é positiva: seja o mocinho e não o bandido, faça o bem, defenda os mais fracos, acredite no poder do amor.

As lições de convívio social e respeito pelo próximo reforçam a importância das histórias na educação infantil e devem ser estimuladas pelos professores.

O mundo imaginário ajuda a lidar com as próprias emoções

As histórias infantis ajudam as crianças a lidarem com seus próprios conflitos e emoções que ainda não conseguem verbalizar, como ansiedade e insegurança, por exemplo.

Por meio das histórias, elas assumem o papel do herói e lutam para vencer o mal. Isso estimula a autoestima e a autoconfiança das crianças, na medida em que se sentem mais fortes e corajosas para enfrentar seus medos e inseguranças.

O repertório do imaginário ainda colabora por deixá-las mais próximas de diversas realidades possíveis. Ou seja, elas adquirem exemplos práticos para aplicar no cotidiano ao considerar, por exemplo, como tal personagem reagiria a determinado problema?

A ficção estimula o pensamento crítico

As histórias infantis mostram as consequências das decisões dos personagens. Assim, as crianças percebem que o desenrolar da história depende das escolhas, assim como na vida. Elas observam que nem todos os personagens são modelos de correção. Os que fazem coisas erradas sofrem as consequências.

Ainda de acordo com Roitman, pensar criticamente é algo que está totalmente associado à capacidade de contemplação e apreciação dos objetos artísticos. Então, as histórias ensinam que é preciso tomar decisões diante de situações negativas. Se as escolhas são as certas, a história terá um final feliz.

As histórias infantis melhoram a comunicação

O enriquecimento do vocabulário, do uso da linguagem e da comunicação também mostra a real importância das histórias no universo infantil.

Por meio das histórias, as crianças são estimuladas a fazerem perguntas, aprendem e incorporam novos termos ao se comunicar. Muitas vezes, repetem as histórias que ouviram e até passam a inventar suas próprias narrativas, em um rico exercício de expressão das próprias ideias.

Introduzi-las à linguagem e à alfabetização dessa forma é uma iniciativa que sai do lugar comum e ainda fornece outras possibilidades de aprendizagem.

O mundo da ficção significa diversão

Antes de qualquer coisa, histórias infantis são fontes de prazer para a criançada. Seja ouvindo um adulto contar, seja mergulhando sozinho no mundo imaginário de um livro atraente e colorido, ou representando heróis e aventuras com os amigos no quintal, ficção é sinônimo de diversão.

As histórias oferecem a oportunidade de aliar o lúdico ao aprendizado. Um bom educador saberá explorar o potencial inesgotável do mundo imaginário para o desenvolvimento infantil.

As histórias infantis são para todas as idades

Felizmente, as histórias infantis vão desde a mais tenra idade, até o começo da segunda infância. Desta forma, é possível levar a contação para diferentes públicos. Confira algumas dicas de leitura:

Meu primeiro livro de contos de fadas

Lançado em 2003 por Mary Hoffman, ele introduz os pequenos nas mais tradicionais narrativas do Ocidente. Os mais novos adoram.

O livro com um buraco

Ilustrado e escrito por Hervé Tullet, este livro tem um aspecto lúdico interessante, pois tem um buraco no meio. Isso colabora para que ele chame a atenção e desperte para a diversão. Ideal para a faixa de 0 a 3 anos de idade.

Esqueci como se chama

Esse é para aqueles que já são um pouquinho mais velhos. Seus grandes méritos estão relacionados às brincadeiras feitas com as palavras. Ele estimula a linguagem por completo. Foi feito pelo poeta russo Daniil Kharms. Seu lançamento no Brasil ocorreu em 2015.

Ou isto ou aquilo

Tem espaço para os clássicos brasileiros também! Em Ou isto ou aquilo, a poetisa Cecília Meireles percorre os jogos linguísticos que os vocábulos da língua portuguesa nos oferecem. Ela também brinca com a sutileza ao criar poemas simplesmente encantadores. Funciona bem em todas as idades.

Contos de Grimm

Cinderela, Chapeuzinho, Rapunzel; quem nunca ouviu falar nesses nomes? Os Contos de Grimm talvez sejam o compilado mais famoso, das histórias infantis, de todos os tempos. É indicado para qualquer faixa etária.

A casa sonolenta

Absolutamente imagético, A casa sonolenta, de Audrey Wood, conta sobre uma residência onde tudo e todos dormem. A exceção é uma pulguinha engraçada, que traz ação para o enredo. Ele é perfeito para ser lido antes da soneca ou nos momentos de relaxamento. Recomendado para aqueles que têm entre 3 e 6 anos.

Exercícios de ser criança

Manoel de Barros fazia versos recheados de cenas maravilhosas. Em seu Exercícios de ser criança ele cativa os leitores e ouvintes com o máximo de suas construções poéticas, que são simples e complexas ao mesmo tempo, assim como a própria meninada! Vale aproveitá-lo com os menores e com os maiores.

Concluindo, a importância das histórias na educação infantil é notável por seu papel no estímulo à imaginação, no enriquecimento cultural, no desenvolvimento dos preceitos morais e do pensamento crítico, na expressão das próprias emoções e no incentivo à comunicação.

O assunto é amplo e muitos outros aspectos benéficos ainda podem ser explorados. E tudo isso de uma forma prazerosa para as crianças, o que é muito importante na educação infantil.

Assine a nossa newsletter! Assim, você não perderá as novidades da área de educação que teremos prazer em oferecer!

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.